Deixa-te de tangas e põe-te na rua!
É de Homem!
Deixa-te de tangas e põe-te na rua!

Nas ruas e nas conversas, nos jornais e na televisão, há cada vez mais pessoas a fazer e a falar de exercício físico. Os treinos diversificaram-se e tornaram-se mais arrojados. Mostramos-te aqueles que estão a ganhar cada vez mais adeptos fora de portas. Mas isto não é para leres e encolher os ombros. É mesmo para te pores a mexer. Vá, sai da toca! Prepara-te. Para a semana, mostramos-te o que de novo há para fazer no ginásio…




Running



Nos últimos anos a “febre” das corridas aumentou. Há cada vez mais provas em Portugal: mini-maratonas, meias-maratonas, maratonas e um sem número de pequenas corridas onde, em muitos casos, a componente competitiva é mesmo o menos importante. Também surgem cada vez mais grupos de runners que se juntam para que o exercício se torne mais divertido. Há corridas solidárias e corridas sui generis – existe até uma prova em que o objetivo é que os corredores fujam da meta, enquanto esta – que está montada num carro – persegue os atletas. Correr é simples e gratuito e não obedece a horários: podes correr de manhã, à tarde ou à noite. Há quem troque dentro do carro o fato pelos calções, e vá correr antes de ir para casa. Não faz só bem ao corpo – queima gordura e tonifica – mas também à mente: evita insónias e até ajuda naqueles dias em que sentes que o mundo se uniu para te tramar. Calça os ténis e corre com os problemas.




Trail Running



O trail running é uma das modalidades que mais tem crescido nos últimos anos. Combina a corrida com a aventura e é considerada uma das atividades físicas mais duras. Ou seja, é ideal para ti. No fundo, é correr, mas não em pista ou estrada. Os percursos incluem trilhos inacessíveis sem ser a pé. Podem ser zonas montanhosas com grandes declives, subidas de pequenos riachos, com fundos rochosos e com pouca água, subida de pedras e outro tipo de pisos com terrenos acidentados. O que é que se espera de ti? Espírito de sacrifício e resiliência: vais ter de caminhar, correr e saltar obstáculos. Normalmente, é necessário carregar uma mochila: com água e suplementos alimentares. Apesar da dificuldade – e talvez por isso – tem atraído cada vez mais participantes. Há grupos que organizam treinos e provas – é só procurares na Internet. Vais mesmo ser o último a experimentar?




Outdoor bootcamps



Se não foste à tropa, neste treino é a tropa que vem ter contigo, ou não fosse inspirado em treino militar. Vais ter um instrutor – nada simpático, mas o objetivo é levar-te ao limite – que te irá gritar ordens e não te vai deixar desistir. Não estás a lutar pelo teu país, mas estarás a lutar por ti. Nem tudo é duro, podes sempre descansar os olhos: normalmente estes exercícios são feitos em grupo e ao ar-livre, em zonas como parques verdes, ou junto ao rio ou ao mar. Os exercícios – de nível intenso - são definidos no momento e por isso cada treino é diferente. O instrutor vai ajudar-te a treinar a respiração e vai fazer-te descobrir músculos que nem sabias que tinhas. É um treino exigente e desgastante, mas vai fazer-te perder peso (vai mesmo), aumentar a tua massa muscular e resistência e dar-te energia. Principalmente, vai tornar-te mais confiante. Quem sobrevive a um bootcamp, sobrevive a tudo.



Se um bootcamp é para corajosos, clica aqui e descobre aquele que é considerado o desafio mais duro de todos os outdoor bootcamps: Spartans Race.




Trekking



Podia chamar-se simplemente caminhada, mas iria parecer um simples passeio. Trekking é uma palavra de origem sul-africana que significa seguir um trilho e fazê-lo a pé. É mais competitivo que uma caminhada e implica passar a noite em abrigos ou tendas e ir mudando de lugar, à medida que avanças no percurso. Mas pernoitar não é obrigatório. Pode também ser feito na cidade – em Lisboa, por exemplo, há trilhos já estipulados. A ideia é fazer exercício físico, mas também conhecer a cidade – ou a região. Mas, normalmente, são os trilhos em locais mais distantes que têm atraído os praticantes. Há várias modalidades de trekking: o individual – em que cada um traça o seu próprio percurso; em grupo – indicado para quem é iniciante; assistido – há guias que orientam no percurso e fornecem os equipamentos; e de competição: fazes parte de uma equipa que terá de percorrer um caminho pré-estabelecido por uma organização, no meio da Natureza, no menor tempo possível, seguindo as indicações de um mapa. Com direito a postos de controlo e a fiscais que não te vão deixar fazer batota.




Pádel



Precisas de um amigo e de uma bola de ténis. Não estamos a brincar contigo. Sabes aquele provérbio “Nem tudo o que reluz é ouro”? Podia aplicar-se aqui, com uma ligeira adaptação: “Nem tudo o que parece ténis, é ténis”. Quais são as diferenças? Bem, para começar o campo tem 20 m de comprimento por 10 m de largura e ainda paredes nos fundos e nas laterais. Alguns campos, em vez de paredes, têm vidro, o que permite uma ótima (e desejada) visualização do jogo. O piso pode ser em cimento ou em relva artificial. Mas o que é verdadeiramente aliciante neste desporto são as paredes. São estas que permitem que a bola esteja sempre em jogo e o que torna mais emocionante e dinâmico o pádel: é que a bola nunca pára. Vais estar sempre a mexer-te de um lado para o outro. Os praticantes profissionais de pádel garantem sempre um espetáculo de destreza que deixam todos boquiabertos. Tu podes começar a tornar-te uma estrela... mas não muito devagar. Olha aí a bola do teu lado!




SUP (Stand Up Paddle Surfing)



E tudo começou no Havai. Surfistas ficavam de pé em cima das suas pranchas e remavam com as pás para tirar fotografias aos turistas que aprendiam a surfar. Por isso, é que o Stand Up Paddle Surfing (SUP) também é chamado de Beach Boy Surf. Este desporto tem atraído cada vez mais adeptos: herdou praticantes de WindSurf, Surf, Canoagem Havaiana e outros desportos de remo. Se para o pádel precisas de terra firme e de uma raquete, no SUP vais precisar de água, uma prancha, remos e... muito equilíbrio. Com este desporto vais conseguir uma simbiose perfeita com a Natureza: quem o pratica garante que a prancha acaba por se tornar uma extensão do próprio corpo. E lembra-te: este não é um desporto de força, mas de prática e algum jeito.. Se queres iniciar-te nesta aventura, começa com calma: usa um colete salva-vidas, nunca remes quanto te sentires cansado nem quando estiver muito vento e escolhe, para as primeiras vezes, águas paradas ou que conheças bem... demora algum tempo até que te sintas parte da Natureza. O melhor mesmo é convidares uns amigos e começarem a praticar juntos. E, já sabes, elas não resistem a um homem com uma prancha na mão.



Como vês, aquela desculpa do alto custo de ginásios e health clubs é bem esfarrapada. Fazer desporto, praticar um estilo de vida saudável é bem mais fácil e barato. Só precisas mesmo de ter força de vontade. Bora lá? Até para a semana

Voltar
É DE HOMEM!